Cuidadores descobrem que tartaruga mais velha do mundo é gay

Espécie manteve relações com outro do mesmo sexo durante 26 anos.

Publicado em 24/10/2017 às 00:10

Gay1 Mundo
Cuidadores descobrem que tartaruga mais velha do mundo é gay
Foto: Gianluigi Guercia/ AFP PhotoCom 186 anos, Jonathan, a tartaruga mais velha do mundo, recebeu a maior revelação de sua vida: sua parceira há 26 anos, na verdade, é um parceiro.

Jonathan, a tartaruga mais velha do mundo, vivia com Frederica havia 26 anos. Até que, depois de passar por alguns exames, os cuidadores descobriram que Frederica, na verdade, era um macho, o que fez de Jonathan uma tartaruga gay.

Com 186 anos, Jonathan vive em Santa Helena, uma ilha que é parte do território ultramarino britânico, e fica a 1.200 costa da Africa do Sul. Ele chegou a ilha aos 30 anos, como presente para um governador. 

De acordo com o jornal "The Times", a tartaruga viveu sozinha na ilha até que, com 80 anos de idade, se apresentava muito irritada, batendo em árvores e interrompendo jogos de cricket no quintal da mansão do governador. 

Assim, em 1991, Johnathan ganhou uma "parceira", com quem o romance logo floresceu. Ele e Frederica acasalavam religiosamente todos os domingos de manhã. No entanto, curiosamente, ao longo de 26 anos, nenhum filhotinho nasceu —o que foi explicado pelos exames recentes.

Cuidadores descobrem que tartaruga mais velha do mundo é gay
Foto: Gianluigi Guercia/AFP PhotoJonathan,a tartaruga gigante mais velha do mundo, na grama da mansão do Governador da ilha de Santa Helena.

Quando Frederica foi levada aos médicos para tratar de um machucado no casco, a verdade veio a tona: a tartaruga, na verdade era um macho da espécie. Assim, Johnatan manteve relações com outro do mesmo sexo durante 26 anos.

As diferenças sexuais entre tartarugas não podem ser facilmente identificadas, se não pelo formato e curvatura do casco na parte inferior (machos costumam ter a "barriga" côncava para acoplar melhor nas costas da fêmea). No entanto, em uma tartaruga tão grande como Frederica (que se tornou Frederico), as diferenças não são tão perceptíveis. 

Por curiosidade, casamentos entre pessoas do mesmo sexo não são permitidos na Ilha de Santa Helena. Em 2016, foi proposta uma lei que permitisse uniões legais de pessoas do mesmo sexo, mas foi negada depois da homofobia da população local —que é de cerca de 4 mil habitantes 

© Portal Gay1
 
Encontre-nos no Google+