Crítica: A peça Bruta Flor e o debate sobre homoafetividade, violência doméstica e o armário

"Espetáculo mostra-se como uma ótima opção para quem esta a procura de algo que fuja da monotonia da noite paulistana".

Publicado em 20/09/2017 às 23:41

Jefferson Ferreira
Crítica: A peça Bruta Flor e o debate sobre homoafetividade, violência doméstica e o armário
Foto: Divulgação

A peça que está em cartaz no Teatro Augusta, em São Paulo, todas as sextas-feiras até o dia 29/09/2017, é uma linha tênue entre a arte e a vivência de muitos de nós, LGBTs.

Com um texto inédito de Vitor de Oliveira e Carlos Fernando Barros, o espetáculo Bruta Flor mostra-se como uma ótima opção para quem esta a procura de algo que fuja da monotonia da noite paulistana. Em uma trama, cujo foco é o relacionamento conturbado entre dois rapazes, um personagem bem resolvido sexualmente, interpretado por Miguel (Willian Tucci), acaba se envolvendo com o seu melhor amigo, protagonizado por Lucas (Adriano Arbol), que é casado com Simone (Érika Farias) e vive um relacionamento abusivo. Um apaixonante enredo teatral que leva aos palcos a nossa realidade e nos faz refletir sobre o fato de sermos ainda, um dos países mais machistas e LGBTfóbicos do mundo.

Nesse contexto, as nuances da homofobia ganham espaço, trazendo à tona uma discussão sobre o armário que aprisiona e esconde nossos desejos. Enquanto os personagens discutem sobre a sexualidade, Lucas nega com veemência ser homossexual, diferentemente de Miguel, que sempre foi assumido e nunca escondeu o amor platônico pelo amigo de infância, ao qual ficou por um longo período sem vê-lo, até que um reencontro casual no metrô faz com que eles revivam seus sentimentos e aflorem esta paixão que foi silenciada pelo tempo, mas nunca esquecida.

Crítica: A peça Bruta Flor e o debate sobre homoafetividade, violência doméstica e o armário
Foto: Divulgação

Bruta Flor é aquela peça onde conseguimos nos identificar, por expressar a luta interna em se assumir, tendo como eixo, a negação de nossa sexualidade, fazendo com que muitas vezes, entremos em relacionamentos de faixada, somente para manter um status de heterossexualidade ao qual não pertencemos, escancarando uma vida de mentiras e de ilusões.

E claro, não quero dar spoilers, mas o final é surpreendentemente emocionante!

Serviço:
Bruta Flor
Texto: Vitor de Oliveira e Carlos Fernando de Barros
Elenco: Adriano Arbol, Érika Farias e Willian Tucci
Direção: Marcio Rosario
Local: Teatro Augusta - R. Augusta, 943 - Cerqueira César, São Paulo - SP, 01305-100
Valor: Inteira R$ 70,00
Meia-Entrada R$ 35,00
Página: https://www.facebook.com/brutaflorteatro/

Escrito por Jefferson Ferreira - Editor da página Menino Gay

© Portal Gay1
 
Encontre-nos no Google+