Cuba vence Suécia na abertura do Grand Prix LGBT de Vôlei, em Manaus

Duelo ocorreu no sábado, e time "caribenho" derrotou rival por 2 a 1. Rodada ainda contou com outras quatro partidas, todas realizadas no domingo.

Publicado em 10/07/2017 às 17:55

Gay1 Esportes*
Cuba vence Suécia na abertura do Grand Prix LGBT de Vôlei, em Manaus
Foto: Anderson Silva/SejelDuelo foi emocionante, mas Cuba venceu no Tie Break.

O Grand Prix LGBT de Vôlei iniciou neste sábado, no Atlético Rio Negro Clube (Centro), e já mostrou a que veio. Na abertura oficial, com direito a participação da Miss Gay Amazonas, Rafaelly Albuquerque, Cuba venceu a Suécia no Tie Break (25/15, 23/25, 17/15), em um duelo emocionante. A competição conta com outras 16 equipes e quase 200 atletas.

Por outro lado, se a Suécia não venceu o jogo, foi campeã nos quesitos Melhor Equipamento, Muso e Melhor Delegação. A equipe saiu de quadra ovacionada pelos jurados presentes. O muso em questão foi Arley Carvalho, de 23 anos, e o uniforme teve autoria de Carlos Eduardo de Sá, que é estudante de engenharia química.

Cuba vence Suécia na abertura do Grand Prix LGBT de Vôlei, em Manaus
Foto: Anderson Silva/SejelSuécia levou o prêmio de melhor equipamento.

O jogo

As caribenhas começaram atrás no placar, pecando ao errar alguns saques. Do outro lado, o time sueco aproveitou o braço forte de seus jogadores e as viradas para se distanciar. A estratégia, que também contou com muitas provocações por parte da Suécia, deu certo e desequilibrou um dos times mais experientes da competição, que fechou com menos dez pontos de diferença a primeira etapa. Retornando para o segundo set concentrado, o time de Cuba voltou muito mais alinhado, afinou o bloqueio e ajustou os passes, conseguindo virar o jogo a partir de então.

No tiebreak, a disputa foi um caso a parte, levando a torcida à loucura. A Suécia saiu na frente, mas se desestabilizou com as viradas de bola de Cuba. O time europeu ainda ganhou fôlego ao chegar aos 15 pontos, mas com erro de saque e marcação, viu o oponente crescer e comemorar os dois pontos de diferença, fechando o jogo de estreia.

Para o técnico da equipe cubana, Wanderlan Silva, a concentração para os últimos sets e os ajustes da equipe fizeram a grande diferença na hora de reverter o placar.

"A gente entrou na pilha delas e isso nos desconcentrou muito no primeiro set. Observamos também que jogar com dois ou três pontos atrás não é uma boa vantagem, pois desestabiliza. Sendo assim, trabalhamos nesses itens, fizemos a troca na hora do bloqueio e acho que essa foi a hora que conseguimos consertar o time. Posso dizer que o coletivo ajudou muito, mas o Cristiano (camisa 8), que é o nosso capitão, comandou com muita força e contribuiu para a gente já iniciar esta edição com vitória", comentou.

Mesmo com a derrota, o técnico da Suécia, Rodrigo Moreira, acredita que o time fez um bom trabalho e vai realizar uma preparação para que o elenco possa estar mais harmonizado para as próximas disputas.

Cuba vence Suécia na abertura do Grand Prix LGBT de Vôlei, em Manaus
Foto: Anderson Silva/SejelCerimônia de abertura foi no sábado.

"O que faltou hoje para a gente foi um pouco de entrosamento. A equipe joga desde o ano passado e acredito que hoje pela estreia, pela abertura, o nervosismo deixou influenciar na partida. Mas para mim foi um jogo bom, porque fomos forte, não desistimos até o último segundo, e agora é aparar os erros. Meus parabéns ao outro time e vamos aguardar os próximos jogos", concluiu.

Restante da primeira rodada
África 2 x 0 Catar
Canadá 0 x 2 Itália
Tailândia 2 x 0 República Dominicana
Austrália 0 x 2 República Tcheca

* Com informações da assessoria

© Portal Gay1
 
Encontre-nos no Google+